sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Do Amaral



Eu queria  continuar falando só sobre cultura,mas depois da prisão do Sr. Delcídio do Amaral não foi mais possível ignorar a  continuidade do apodrecimento da dmocracia brasileira.Isto porquê  é  a primeira vez  que um Senador é preso no exercício do mandato ,por ordem direta( e legítima)do STF.À primeira vista achei que era mais um momento da judicialização,que pode (como ainda acho)preparar uma futura ditadura do Judiciário,o poder que deve ser mais vigiado no meu modo de entender,mas depois verifiquei da legitimidade e  fundamento legal e factual para  o ato.
Então é mais um novelo deste dramalhão cheio de perigos  que só não explode  porque ninguém tem condição política de resolver o depois.
Na  minha opinião,que já manifestei,a lei não sustenta o pedido de impeachment de Dilma pelo fato de  ela ter mentido(o que aconteceu).Nos Estados Unidos é possível,mas aqui não.Eu sou favorável a uma  lei que defina a mentira como fundamento do impedimento,mas quem,qual político vai defender esta idéia muito necessária?Não ficaria  um meu  irmão!!
Então forçar o impeachment é perigoso,mas  era  muito melhor  que houvesse uma substituição do governo porque  haveria uma esperança imediata de melhora no quadro geral brasileiro,político econômico.A continuar esta administração avalia-se  que as melhoras só virão em 2018 ou 19,o que é um absurdo deste presidencialismo ultrapassado,que,rígido,impede  pelo menos o desejo de  modificar as coisas logo,num assomo de esperança que poderia nos ajudar a  sair do beco.
Claro ,poderiam objetar que uma mudança agora poderia  significar mais problemas,porque a oposição(exceto Marina Silva e talvez  PSOL)também está envolvida nesta  bagunça,mas eu penso que é melhor pecar por ação do que por omissão e  além do mais a continuidade também tem mais chances  de levar o país para mais baixo ainda do que o contrário.As  conseqüências desta situação não se mostram agora,mas no futuro,o desastre vai se fazer sentir,com a possibilidade de uma nova inflação galopante,como no passado.
O significado específico do Amaral é  a  corrosão evidente do Congresso como um todo.Não procede o argumento de Renan Calheiros de que não existe culpa formada.Existe a  condição dela,que é o flagrante, as provas sobejas já reunidas.Se vale para o  deve para “ os de cima”.
É preciso ressaltar  que vai ser absolutamente necessária a  alternância de poder na próxima eleição.Aliás  a insistência de certos setores da  oposição em exigir de Dilma que renuncie é para que ela(oposição)  se  garanta  como vitoriosa em 2018,outro fator que fortalece a continuidade de Dilma(o interesse  de mudar é exclusivista,não em nome do Brasil).
O povo  brasileiro deve ter em vista que se não     se quebrar esta continuidade do PT,mesmo um governo renovado vai ter dificuldades de  superar a  destruição que este período de  12 anos está causando ao Brasil,o que inviabilizará este novo governo de  quatro anos.
Marina tem falado acertadamente em acabar com a reeleição,mas se o passado pesar,ela,como qualquer outro governo,Aécio,vai achar este período pouco.
Falar em Aécio,ele é quem tem o maior eleitorado para pedir prioridade numa aliança das oposições,mas está visivelmente comprometido ,o que joga as grandes possibilidades de renovação em Marina,no PSB e  no PSOL.
Atenção povo brasileiro.



terça-feira, 24 de novembro de 2015

O almirante negro





No último domingo comemoramos os 115 anos da Revolta da Chibata,um episódio bem parecido com aquele que ocorreu em 1905 na Rússia ,com a diferença de que no Brasil o elemento racial se  somava ao problema  social.
O motivo da superação dos  castigos  físicos não deve nos enganar quanto ao significado real deste extraordinário fato histórico.Este  significado é importantíssimo e multi facético,porque vai do já referido problema racial ao problema educacional.
Este  último elemento é o mote deste meu artigo:porque  chamar o chefe da revolta de Almirante?Porque  fica  claro que   a capacidade de  aprender se faz na prática e  a qualquer tempo por  aquele que tem interesse em prender,mesmo sendo do povo,ou seja,sem escola.
João Cândido e  seus seguidores  foram capazes  de  manobrar  conscientemente  navios  complexos,durante a revolta.Não importa  que a  Marinha até hoje  diga que isto não é justificativa para considerar João Cândido um almirante pois  o que ressalta é  que ele era capaz  de  aprender,de  seguir na sua atividade profissional,se não tivesse  sido impedido.
Como dizia Anísio Teixeira,nosso maior educador:” O homem aprende na escola,fora da  escola e  apesar da escola”.


E uma das maiores  contribuições  da esquerda em todos os tempos foi demonstrar que  a  separação entre o trabalho intelectual(das classes  altas)e o prático é  uma invenção da sociedade de  classes,com o fim óbvio de afastar as classes subalternas do processo de  conhecimento.

Até na Inglaterra ,que deve muito à  Shakespeare,existe um resquício de preconceito,afirmando que o bardo ,para ser genial tinha que pertencer às classes  altas,como se nas classes menos favorecidas não aparecessem super-dotados.
Em qualquer lugar do mundo há diamantes  a serem lapidados e  é só procurar.Seria um dever do Estado  achar,mas este ,preso à hegemonia das classes altas não  cumpre com esta tarefa.
Não que João Cândido seja um gênio(talvez),mas um líder e  alguém que  demonstrou que  poderia  crescer profissionalmente,não importando  a  cor de  sua pele.
João Cândido e os seus seguidores procuraram a vida toda a  possibilidade de  indenização,sem conseguir,numa  flagrante continuidade antropológica e histórica com o posicionamento dos  governos de hoje  quanto  à  excludência  dos tempos passados(passados?).







sábado, 14 de novembro de 2015

Novo atentado

Motivo transcendental  e importantíssimo:adultério e  orgasmo



Eu sou de uma época em que se lutava para acabar com a miséria e  esta luta  era de massa,porque  já começava a  tentar incluir  as pessoas ,já que o estado não faz a  sua parte e ninguém ajudava.
Hoje os atentados são  motivados por  aquelas razões  elencadas por Max Scheller,um filósofo que tratou do ressentimento e  foi preso pelso nazistas.Carência  afetiva,confusão entre objetivos públicos,sociais,com questões de  ordem pessoal.Isto ataca frequentemente também uma esquerda que fala  em liberdade mas apóia  Sadam Hussein e  outros que tais  ,como se  houvesse  termo de comparação entre muçulmanos e a  sua teocracia e  o socialismo.
Mas isto acontece exatamente por  causa desta confusão entre  a questão pessoal e  a  luta social.O sujeito luta  pelas duas coisas,mas,para ele,o mais importante é ele mesmo e  diante dos problemas que a luta impõe  acaba por se crispar na necessidade de  lutar  por  carências individuais.Não é  a  miséria  que se deve superar,mas a feiúra;não é resolver o problema  social,mas garantir que todos possam  comer a filha do patrão.A questão não é a liberdade da mulher  ,mas que ela  obedeça ao marido e  use  o véu.
O que  estes  terroristas alegaram é que enquanto o seu país está em chamas(por  causa deles) os  outros gozam a vida ,praticam o adultério e  têm orgasmos,como  se  matando estes “ aproveitadores”a  luta para superar  o sofrimento vai avançar.
A “luta”  terrorista  é pequena,de  grupo,emocional,como dizia Gramsci,egoístico-passional.A verdadeira  luta não é contra ao adultério,mas contra  a  miséria  e a excludência e é de massa,de  todos,não de ressentidos.
Eu ia escrever sobre Marx  hoje,retomando o meu trabalho na Ponte,mas diante dos fatos,fiz  estas mal traçadas linhas de protesto.


quarta-feira, 4 de novembro de 2015

O que eu teria escrito na prova do Enem






Nunca fui uma pessoa demagógica e nunca tive apreço por  quem misturava (e mistura) política com mentira.É lógico                 que é de  causar indignação a  violência predominantemente masculina sobre a mulher,mas nós devemos ter em vista que esta questão é mais complexa do que pura e simplesmente aquilo que  ela pode  provocar em termos de escândalo coletivo(e político).
Porque  o problema da violência contra a mulher é um problema das relações  entre homem  e mulher e portanto,embora a lei Maria da Penha incida sob a  égide  do direito privado,ela é  um assunto privado e ainda que a intervenção,de  fora,seja mais que exigível,da lei,os  critérios desta intervenção devem atender à  necessidade de proteção da intimidade e  evitar o uso político da situação.A senhora Maria da Penha teve que buscar ajuda pública e  na política porque não teve ajuda , e agiu corretamente.As campanhas públicas têm um significado pedagógico e  de repressão para  inibir os  homens violentos e  modificá-los no sentido da paz.
Até mais ou menos o ano de  68  se falava muito (e com razão)na  questão do amor livre.Nós conhecemos opiniões  díspares como as de Engels,Comte ,Kardec e  Simone de Beauvoir(entre outros),mas todos estão de  acordo em afirmar que o “ amor  livre” significa aquele amor  que não sofre nenhum óbice ou imposição no seu elemento decisivo de  liberdade consciente de escolha(do parceiro).
A violência masculina contra a mulher não é apenas a  decisão de um sujeito perverso contra uma mulher inocente,ela é  resultado de todo um conjunto de imposições  arcaicas  a  esta associação da liberdade com o amor ,passando pela  maturidade e consciência das pessoas.
É lógico que é mais comum  esta violência do homem contra a mulher,mas dentro da família,dentro deste contexto referido,a  mulher ajuda na  sua inconsciência  e por reproduzir  muitas vezes o esquema arcaico que foi imposta a ela desde o berço.
A mulher,não raro,aceita o critério de masculinidade associado ao poder e  ao significado institucional do macho como chefe da casa(concepção paulina que muita feminista aceita por aí...e manipula...politicamente inclusive).
Desde Marcuse  que nós sabemos como se  deu na História da humanidade este processo de “patriarcalisação”.Quando a humanidade era nômade,predominava o matriarcado e a mulher sabia de quem era o filho e podia ser responsável pela linhagem da tribo.
Com a civilização e o surgimento das cidades,a  mulher foi confinada na casa,para que o marido vigiasse  a sua linhagem.Ao longo da História  este esquema  básico foi sendo “ atualizado”.No império romano a  mulher era tida como parte dos utensílios  da casa.Mas o cristianismo,através  de Constantino e  sua mãe  Santa Helena,conformou o quadro arcaico da relação homem/mulher,pelo menos,claro,no ocidente,que é onde se fazem estas discussões  que redundaram no problema da  violência  doméstica e na Lei Maria da Penha(a lei Maria da penha foi gestada na Igreja Católica).
No cristianismo católico(o mais hegemônico)existe um conceito de que tudo que a mãe (e  a mulher )faz deve  ser aceito.Este conceito  existe exatamente para  que a religião administre a família,quando ocorre  uma crise(a  mulher geralmente a chama para dirimir o problema).Esta confusão entre família e  religião, como entidade política, surgiu na relação de  Constantino com sua mãe  Santa Helena,que vemos abaixo: